Livros  >>  Ciência









Compre na Cultura
Compre o e-book
Compre na Saraiva
Compre na Livraria da Travessa

Detalhes:
Brochura
16 x 23cm
188pp
ilustrado
R$ 39,90

Data de Lançamento:
2/4/2012

1ª edição

ISBN:
978-85-378-0627-2

Tradução:
Sérgio Góes


Outras áreas: Administração
Artes
Biografias
CIÊNCIA
Ciências Sociais
Cinema
Coleções
Coleções de Bolso
Comunicação
Dicionários
Economia
Educação
Filosofia
Gastronomia
Geografia
História
História em Quadrinhos
Infantil
Juvenil
Letras
Literatura
Música
Policial
Política
Psicanálise
Psicologia
Teatro
TV
Variedades
Tudo que é ruim é bom pra você
Como os games e a TV nos tornam mais inteligentes
> Entrevista exclusiva: Steven Johnson

Por que você decidiu escrever sobre os benefícios da cultura pop?

Eu comecei originalmente com os jogos. Eu ficava ouvido todas essas referências sobre como os videogames podem ser idiotizantes, como as crianças estavam obviamente perdendo o seu tempo com essas formas estúpidas de entretenimento. Mas eu sabia por minha própria experiência que os games estão mais sofisticados e complexos, desde quando eu comecei a jogar, nos tempos do PacMan e Donkey Kong. E ninguém parecia falar desse assunto. Isso foi há dez anos atrás, e por essa época também, uma série de programas espertos e complexos apareceram na TV americana: como A família Soprano, por exemplo. E comecei a pensar que o livro não deveria se limitar a falar de jogos.

Como foi a pesquisa do livro?

A piada sobre pesquisar para o livro era que isso envolvia sentar e jogar videogames o dia todo e, depois, assistir a episódios de A família Soprano. Mas, na verdade, a pesquisa real foi descobrir como descrever e classificar a complexidade dos jogos e programas. Por exemplo, meu assistente de pesquisa e eu construímos estes gráficos divertidos para documentar a complexidade das técnicas de contar histórias de A família Soprano, assim como mapas de redes sociais que documentassem a explosão de personagens em algumas séries.

O que ouvimos hoje é que as pessoas até podem estar mais informadas com as novas tecnologias, mas ficam menos criativas. Você concorda com uma afirmação como essa?

Eu não compro essa teoria de forma alguma, em parte por conta dos argumentos que expliquei em De onde vem as boas ideias?, meu último livro. As pessoas pensam que a imaginação e a criatividade de alguma forma são entorpecidas porque as crianças estão sendo expostas a todo tipo de experiência virtual através de uma tela. Antigamente, dizem, as crianças tinham apenas uma caixa de papelão para brincar e, então, tinham que criar mundos imaginários quase do zero. Mas não é como a criatividade funciona. Criatividade é pegar as suas experiências e mesclá-las com novos e interessantes caminhos. Então, quanto mais experiências você tiver, mais material você terá para recorrer.

Mesmo com benefício, você não acredita em um limite, que as pessoas não deveriam permanecer o dia inteiro em frente à tela? Em penso nisso mais ou menos como pensamos sobre dietas saudáveis: você quer que todos os bons grupos estejam representados. Então, se você está gastando todo o seu dia jogando games, então, sim, claro, você precisa ler um romance ou sair para uma caminhada. Mas, da mesma forma, se está sempre do lado de fora, e não tiver nenhuma interação com uma tela e não tiver nenhuma familiaridade como essas incríveis novas criações, você deveria provavelmente arrumar algum tempo para jogar um jogo, ou assistir a um episódio de “Lost”.
PESQUISE NO CONTEÚDO DOS LIVROS
powered by Google
LINKS
> Visite o site do autor e saiba mais sobre ele.

> Steven Johnson acredita que em De onde vêm as boas ideias? mostrou alguns dos benefícios da web para o desenvolvimento da criatividade. Veja o vídeo.

CONFIRA TAMBÉM!
> Em entrevista exclusiva, Steven Johnson explica por que escolheu falar sobre jogos, série e internet e como foi a pesquisa para o livro.

ZAHAR    rua Marquês de São Vicente 99 – 1º andar, Gávea, Rio de Janeiro, RJ, Brasil   22451-041   Tel.: 21 2529-4750  sac@zahar.com.br  ©2007