Livros  >>  História em Quadrinhos









Compre na Cultura
Compre o e-book
Compre na Saraiva
Compre no Submarino
Compre na Livraria da Travessa

Detalhes:
Brochura
16 x 23 cm
32pp
ilustrado
R$ 46,90

Data de Lançamento:
1/7/2008

ISBN:
978-85-378-0084-3

desenhos: Flavio Pessoa

adaptação: Flavio Pessoa e Mauricio O. Dias


Outras áreas: Administração
Artes
Biografias
Ciência
Ciências Sociais
Cinema
Coleções
Coleções de Bolso
Comunicação
Dicionários
Economia
Educação
Filosofia
Gastronomia
Geografia
História
HISTÓRIA EM QUADRINHOS
Infantil
Juvenil
Letras
Literatura
Música
Policial
Política
Psicanálise
Psicologia
Teatro
TV
Variedades
A cartomante
Entrevista com Flavio Pessoa

Como foi o processo de adaptação do conto de Machado de Assis? Quais as grandes dificuldades?

FLAVIO PESSOA - Adaptar Machado de Assis é sempre um grande desafio. Quem quer que se debruce sobre sua obra, há de saber que não encontrará facilidades. O motivo maior dispensa apresentações, que é justamente o valor inestimável de uma obra secular de nosso escritor maior, reverenciado em todo o mundo. Outro motivo é a dificuldade de tirar do meio literário, a inovação e a ousadia de sua linguagem, e levá-la para um universo mais visual, mais direto, sem ser redundante e sem decepar o que o autor tem de melhor. Quando nos propomos a transpor uma obra literária para um universo visual, devemos ter em mente que uma história em quadrinhos não é um livro ilustrado. Ou seja, não temos que ser literais e trabalhar com o texto na íntegra, até porque nem tudo o que está escrito funciona graficamente. Por exemplo, mesmo em trabalhos ficcionais do Machado, encontramos muita reflexão sobre assuntos diversos que, nos quadrinhos, perderia em força e dinâmica, mas que na literatura muitas vezes está amarrada à trama central da história de forma indissociável.

Nesta adaptação, procuramos manter o máximo de fidelidade ao texto original, mas sabíamos desde o início que não iríamos transpor o texto ipsis litteris. Procuramos também trazer algo de novo e inusitado na linguagem gráfica, que é a mistura de fotografias com desenhos, desafiando a percepção do leitor, entre a ficção e a realidade. O Rio de Janeiro é o “personagem” mais constante da obra de Machado, como continuaria a ser na obra de tantos outros escritores brasileiros, como Lima Barreto, Nelson Rodrigues e Sérgio Porto. Trabalhar com a fotografia como cenário já seria um grande diferencial desta adaptação. Ainda mais que, neste caso específico, estamos lidando com pioneiros da fotografia e fotos históricas, conhecidas por parte considerável do público.

Por que escolheram especificamente esta história? Por ser de mais fácil adaptação para os quadrinhos?

F.P. - A primeira idéia era fazer um livro maior, com mais páginas e quatro contos. A cartomante já estava entre eles. Depois, preferimos dar maior destaque a um conto, aumentando a adaptação. A cartomante foi escolhida não apenas por ser uma história dinâmica, envolvendo um triângulo amoroso e uma sugestão de crime passional no ar, durante toda a narrativa, além de ser uma das histórias que mais descreve o Rio de Janeiro. Teve um grande peso para a escolha do conto, o fato de ser um dos mais conhecidos de Machado, estudado em escolas e cobrado nos vestibulares. O grande objetivo desta adaptação é seduzir os alunos para o mundo da literatura, mostrando aos professores como a história em quadrinhos pode se tornar uma grande aliada nesta difícil empreitada.

Já havia adaptado outras obras?

F.P. - Já havia feito, também com a ajuda do Mauricio* no roteiro, uma adaptação para quadrinhos de dois contos da série Vida como ela é..., de Nelson Rodrigues, que fizeram parte de uma exposição na galeria da Faculdade da Cidade (atual UniverCidade), em 2001, em homenagem aos vinte anos de sua morte, completos no ano anterior. A Imagem de Nelson Rodrigues era composta por ilustrações e quadrinhos inspirados em romances, peças, contos e crônicas do dramaturgo. Tentamos publicar o trabalho, mas embora as editoras demonstrassem grande interesse, era necessário um grande investimento (os direitos autorais do Nelson sempre foi um dos mais caros) e não havia essa onda de adaptação na época.

O que acha desta onda de adaptação de obras clássicas para quadrinhos, como da obra de Proust, por exemplo, Em busca do tempo perdido?

F.P. - Vejo surgir uma oportunidade de mercado que eu esperava desde que comecei a estudar literatura, no segundo grau. Outro dia mesmo, me lembro que eu costumava emprestar adaptações de quadrinhos estrangeiras para a minha primeira professora de literatura, no Bennett. Eu queria que ela recomendasse às turmas ou até que as usasse como material didático. Mas não havia uma grande adaptação de literatura nacional, foco das aulas (a não ser aquelas antigas, de linguagem mais convencional e esgotadas há anos). Acredito que essa onda de adaptações bem produzidas, com um visual arrojado, com os melhores desenhistas e roteiristas do país, representa uma nova postura dos quadrinhos no Brasil.

A adaptação do Proust foi muito bem recebida na Europa, ganhou prêmios internacionais e muito prestígio, mas o público europeu é completamente diferente do brasileiro. Na França há uma cultura que cultua e consome tanto os quadrinhos, quanto literatura, como qualquer todo tipo de arte. Até há poucos anos, tínhamos que procurar os quadrinhos na sessão infantil, enquanto, em Paris, existe uma livraria de três andares especializadas em quadrinhos, freqüentada por um público de todas as idades: alunos, professores e intelectuais. O sucesso das bienais de quadrinhos, no início dos anos 90, provou que havia muito mais fãs no Brasil do que se imaginava. Mas faltava uma diversidade maior de produções nacionais voltadas para um público adulto. Acho que o casamento com a literatura nacional, já respeitada mundialmente, pode ajudar a aumentar esse público.

Há outros projetos neste sentido para o futuro?

F.P. - Estou trabalhando, atualmente, numa retrospectiva da história do Brasil dos anos 50, com ilustrações e quadrinhos sobre os principais acontecimentos: do suicídio de Getúlio à construção de Brasília; as histórias do samba e da Bossa Nova e dois momentos marcantes no futebol, a decepção de 50 e a conquista em 58. É um trabalho experimental, que mistura linguagens gráficas, como quadrinhos e infográficos, além de letras de música ilustradas. Estou desenvolvendo especialmente para a galeria da UniverCidade. Para mim, esta exposição é significativa, pois na estréia, em agosto, estarei completando dez anos de formatura nesta mesma instituição.
PESQUISE NO CONTEÚDO DOS LIVROS
powered by Google
LINKS
. Visite o site sobre o escritor criado por pesquisadores do CNPq e da Casa de Rui Barbosa em homenagem ao centenário de morte de Machado.

. Conheça o Rio de Machado neste ambiente do Globo Online, baseado no livro Para conhecer Machado de Assis.

> Veja um vídeo sobre essa obra, saiba mais sobre o autor, o texto e como trabalhar esse conto em sala de aula.

CONFIRA TAMBÉM!
. Confira uma das páginas do livro e suas ilustrações.

. Leia entrevista com o designer Flavio Pessoa sobre a adaptação do conto de Machado de Assis.

ZAHAR    rua Marquês de São Vicente 99 – 1º andar, Gávea, Rio de Janeiro, RJ, Brasil   22451-041   Tel.: 21 2529-4750  sac@zahar.com.br  ©2007