Livros  >>  Cinema









Detalhes:
Coleção Cahiers du Cinéma

ESGOTADO E
FORA DE
CATÁLOGO


Brochura
14 x 21 cm
200pp
R$ 42,00

Data de Lançamento:
18/10/2005

ISBN:
85-7110-883-8

Tradução:
André Telles


Outras áreas: Administração
Artes
Biografias
Ciência
Ciências Sociais
Cinema
Coleções
Coleções de Bolso
Comunicação
Dicionários
Economia
Educação
Filosofia
Gastronomia
Geografia
História
História em Quadrinhos
Infantil
Juvenil
Letras
Literatura
Música
Policial
Política
Psicanálise
Psicologia
Teatro
TV
Variedades
Orson Welles

SINOPSE

Parte da coleção da Cahiers de Cinema, que começa a ser lançada no Brasil pela Zahar, este ensaio de André Bazin foi escrito originalmente em 1950, quatro anos depois do lançamento de Cidadão Kane, obra-prima de Orson Welles. No texto, Bazin mostra toda a originalidade de seu pensamento como crítico e também faz uma brilhante defesa do cineasta, então acusado de escarnecer de Hollywood, esbanjar orçamentos milionários sem resultados e realizar filmes incompreensíveis. Tornou-se célebre, com a publicação do ensaio, a interpretação de Bazin sobre o sentido da profundidade de campo em Cidadão Kane.
Mais tarde, em 1958, ano de sua morte, Bazin preparou uma segunda edição ampliada de Orson Welles, incluindo novos filmes e comentários sobre a trajetória artística do diretor, um dos maiores gênios da cinematografia mundial. No livro, todos os estudiosos e fãs do cinema encontrarão parâmetros fundamentais para julgar e apreciar os filmes do passado e do presente.
Nas décadas de 1940-50, a crítica de cinema limitava-se a comentar enredos e personagens, atribuindo aos filmes qualidades como "excitante", "de pavor" e "divertido". Bazin rompeu com estes juízos de valor rasteiros e inaugurou um novo modo de fazer crítica, que ia muito além da enumeração de adjetivos: analisava o filme profundamente e o interpretava a partir do cruzamento com as artes plásticas, a música, a história e a filosofia.
Escrevendo em revistas especializadas ou em periódicos de grande circulação, Bazin revelava aspectos até então ignorados pelo público e pela própria indústria cinematográfica: o papel do cenário nos filmes de Marcel Carné; o movimento da câmera, nos de Jean Renoir; o significado dos pontapés distribuídos por Carlitos, nos de Charlie Chaplin.
PESQUISE NO CONTEÚDO DOS LIVROS
powered by Google
ZAHAR    rua Marquês de São Vicente 99 – 1º andar, Gávea, Rio de Janeiro, RJ, Brasil   22451-041   Tel.: 21 2529-4750  sac@zahar.com.br  ©2007